ASTRO-NEWS

R.I.P. Kepler

Outubro 31, 2018

O revolucionário telescópio caça-planetas da NASA fica sem combustível. - A mais prolífica máquina caça-planetas da história terminou sua missão. O telescópio espacial Kepler, da NASA, que descobriu 70% dos 3.800 mundos alienígenas confirmados até hoje, ficou sem combustível, anunciaram funcionários da agência (30 de outubro). Kepler não pode mais se reorientar para estudar objetos cósmicos ou transferir seus dados para a Terra, de modo que o trabalho no espaço do lendário instrumento terminou depois de quase uma década.

Kepler buscava mundos alienígenas usando o "método de trânsito", encontrando as perdas de brilho causadas quando um planeta cruzava a face da estrela a partir da perspectiva da espaçonave.

Mas o legado da missão se estende a outros campos também. Por exemplo, as precisas medições de brilho de Kepler - que o telescópio fez para mais de 500.000 estrelas - estão ajudando os astrônomos a entender melhor o funcionamento interno das estrelas. E as observações dos remanescentes de supernova que completou poderiam lançar uma luz considerável sobre alguns assuntos dos eventos mais dramáticos do universo.

A morte de Kepler "não é o fim de uma era", disse Charlie Space, engenheiro do sistema Kepler. "É uma ocasião para marcar, mas não é um fim."... vamos sentir saudades de ti Missão Kepler.

Informações sobre o observatorio Kepler aqui

Pulsars

Outubro 23, 2018

O mais lento pulsar já descoberto - Uma estrela pulsar de aproximadamente 14 milhões de anos, que é a "mais lenta" do gênero já identificada, foi descoberta por um estudante de doutorado da Universidade de Manchester.

Chia Min Tan, um estudante de doutorado do Jodrell Bank Centre for Astrophysics in Manchester’s School of Physics and Astronomy, fez parte de uma equipe internacional, incluindo colegas astrônomos em Manchester, ASTRON e a Universidade de Amsterdã. A equipe realizou as observações usando o Low-Frequency Array (LOFAR), cujo núcleo está localizado na Holanda.

Os pulsares são estrelas de nêutrons que giram rapidamente e produzem radiação eletromagnética em feixes que emanam de seus pólos magnéticos. Esses "faróis cósmicos" nascem quando uma estrela massiva explode em uma supernova. Depois de tal explosão, uma “estrela de nêutrons” super-densa e giratória é deixada para trás com um diâmetro de apenas 10-20 quilômetros.

O pulsar de rotação mais rápida conhecido pela ciência, no momento, gira uma vez a cada 1,4 milissegundos, ou seja, 716 vezes por segundo ou 42.960 por minuto. Até agora, o mais lento pulsar conhecido possuía um período de rotação de 8,5 segundos. Este novo pulsar, localizado na constelação de Cassiopeia a cerca de 5.200 anos-luz da Terra, gira a uma taxa muito mais lenta de uma vez a cada 23,5 segundos. O que torna a descoberta ainda mais improvável é que a emissão de rádio dura apenas 200 milissegundos do período de rotação de 23,5 segundos.

Suas descobertas foram publicadas no Astrophysical Journal.

O Chandra da NASA está de volta

Outubro 15, 2018

NASA - Um dos telescópios espaciais da NASA não ficará de fora por muito mais tempo. O Chandra X-ray Observatory entrou em um modo de segurança de proteção na quarta-feira (10 de outubro) porque um de seus giroscópios de manutenção de orientação estava em frenesi, anunciaram autoridades da Nasa hoje (15 de outubro). Essa falha fez com que a espaçonave coletasse 3 segundos de dados ruins, confundindo o computador de bordo. Com o problema identificado, uma correção está ao virar da esquina.

O Chandra superou em muito seu tempo de vida original de cinco anos; o observatório tem observado o universo em luz de raios X de alta energia desde 1999. Chandra fez muitas contribuições importantes durante suas quase duas décadas de vida - ajudando os astrônomos a identificar uma nova classe de buracos negros de "massa intermediária", por exemplo, e identificar as ondas de choque que emanam das explosões de supernova.

Chandra é parte do Great Observatories Program da NASA, que lançou quatro poderosos telescópios espaciais de 1990 a 2003: o Telescópio Espacial Hubble em 1990, o Observatório de Raios Gama Compton (CGRO) em 1991 e o Telescópio Espacial Spitzer em 2003.

visite o website do CHANDRA

Estrelas de Nêutrons

Setembro 27, 2018

Massa nuclear em estrelas de nêutrons pode ser o material mais forte do universo - Um fio de espaguete se rompe com facilidade, mas uma substância exótica conhecida como massa nuclear é uma história completamente diferente. Prevista para existir em estrelas mortas ultradensas chamadas estrelas de nêutrons, a massa nuclear pode ser o material mais forte do universo. Quebrar o material requer 10 bilhões de vezes a força necessária para quebrar aço, por exemplo, relatam pesquisadores em um estudo aceito na Physical Review Letters.

Estrelas de nêutrons se formam quando uma estrela massiva moribunda explode, deixando para trás um remanescente rico em nêutrons que é espremido a pressões extremas por forças gravitacionais poderosas, resultando em materiais com propriedades bizarras. Cerca de um quilômetro abaixo da superfície de uma estrela de nêutrons, os núcleos atômicos são espremidos tão próximos que se fundem em aglomerados de matéria nuclear, uma densa mistura de nêutrons e prótons. Acredita-se que estes aglomerados ainda teóricos tenham a forma de gotas, tubos ou folhas, e são nomeados a partir de suas semelhanças com macarrão, incluindo nhoque, espaguete e lasanha. Ainda mais fundo na estrela de nêutrons, a matéria nuclear assume completamente. O núcleo inteiro da estrela queimada é matéria nuclear, como um núcleo atômico gigante.

A massa nuclear é incrivelmente densa, cerca de 100 trilhões de vezes a densidade da água. É impossível estudar um material tão extremo no laboratório.

Leia o artigo aqui

Exoplanetas: Vulcano?

Setembro 19, 2018

Astrônomos encontraram um planeta onde o planeta Vulcano de Star Trek foi previsto existir - Até agora, os astrônomos identificaram milhares de exoplanetas lá fora, além do Sistema Solar, mas apenas alguns raros deles são materia de lenda. É o caso de um exoplaneta parecido com a Terra, encontrado em órbita de uma estrela chamada 40 Eridani A - o criador de Star Trek, Gene Roddenberry, tinha escolhido aquele sistema para Vulcano, o planeta natal de Spock. Localizado a cerca de 16 anos-luz da Terra, na constelação do hemisfério sul Eridanus, 40 Eridani A faz parte de um sistema de três estrelas. Embora nunca tenha sido mencionado na série de TV original de Star Trek, ele havia sido proposto como o local para esta raza extraterrestre.

Em 1991, Roddenberry e três astrônomos do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics escreveram uma carta para a revista Sky and Telescope, descrevendo sua escolha para a localização de Vulcano.

A pesquisa foi publicada aqui

Cassini's Grand Finale

Setembro 16, 2018

E o Emmy vai para: Grand Finale da Cassini - Se você assistiu ao mergulho espetacular da sonda Cassini em Saturno em setembro passado, não estava sozinho - na verdade, fãs do espaço em todo o mundo acompanharam sua campanha na mídia social, ilustrações e animações do grande evento, e o mergulho e comentários em si foram assistidos 2 milhões de vezes, de acordo com a NASA. (Mais de 3 milhões de fãs de espaço visitaram o site durante os principais eventos da Grande Final.) Para homenagear a extraordinária cobertura da NASA, o Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da agência levou para casa um Emmy pelo excelente programa interativo original durante o Creative Arts Emmy Awards, apresentado em 8 de setembro em Los Angeles.

Saudades de ti Cassini-Huygens Mission...

Assita o video ganhador em nossa sessão "Video em Destaque"

Informações sobre o premio aqui